Internacional

Biden versus Trump: a maioria dos eleitores não gosta de nenhum deles

Workers’ Voice

27 de junho de 2024
star5 (2 avaliações)

James Markin, do Voz dos Trabalhadores (EUA)

Com a inflação e o prolongamento da guerra em Gaza, e Biden cada vez mais impopular, o Partido Democrata enfrenta uma situação desconfortável nas próximas eleições presidenciais de novembro. Os candidatos dos dois principais partidos burgueses, Biden e Trump, parecem ser igualmente odiados. De fato, as últimas sondagens estaduais – a forma como as eleições presidenciais são decididas nos EUA – mostram que a corrida está muito apertada. Trump, que há quatro anos foi derrotado e aparentemente abandonado pelos seus partidários capitalistas após as suas tentativas cada vez mais desesperadas de anular o resultado das eleições, parece ter recuperado o apoio capitalista e tem boas possibilidades de vitória.

A dor econômica real prejudica a posição de Biden, não a alegada “vibesecion”[1]

Esta sondagem parece ter desconcertado os estrategas do Partido Democrata e os seus aliados, que argumentam que a economia está indo bem e que os eleitores deveriam naturalmente apoiar um titular que lhes tenha dado resultados econômicos. Os apoiantes do presidente até cunharam um termo para esta aparente “contradição”, chamando-lhe “vibes” (Editor: “vibes” é calão para “uma impressão intuitiva, ou a aura de um sentimento sobre algo”). Num artigo para o New York Times, o analista liberal Paul Krugman explicou que, embora as pessoas possam classificar as suas próprias perspectivas econômicas como positivas, de acordo com as sondagens, continuam vendo as perspectivas econômicas nacionais globais como negativas, apesar das estatísticas econômicas oficiais. Por isso, considera que se trata apenas de uma recessão de acordo com uma intuição imaterial, ou seja, uma “vibecession”. Esta narrativa paternalista é, evidentemente, uma tentativa de disfarçar a verdadeira crise de custo de vida que os trabalhadores deste país enfrentam, para que Biden possa reivindicar uma “economia positiva”.

A realidade econômica que os trabalhadores dos EUA enfrentam é muito menos brilhante do que Krugman e os partidários de Biden querem fazer crer. De acordo com a análise de Thomas Ferguson e Servaas Storm, os salários reais diminuíram durante a última parte da presidência de Biden, uma vez que os aumentos salariais não tiveram em conta os aumentos da inflação. Esta crise do custo de vida fez-se sentir em muitos aspectos da vida, mas talvez seja mais aguda no sistema de saúde, que entrou em crise. Uma pesquisa sugere que a maioria da população dos EUA tem problemas com o custo dos serviços médicos. De acordo com a pesquisa, 60% dos inquiridos afirmam que não recebem um tratamento médico importante devido ao custo e cerca de 20% não tomam medicamentos cruciais pela mesma razão.

Outro custo importante para as famílias da classe trabalhadora é o aluguel. Os dados sugerem que os aluguéis aumentaram, de um modo geral, desde o início da pandemia e que o fizeram a uma taxa 1,5 vezes superior ao crescimento dos salários. Este fenômeno pode ser mais grave do que parece, uma vez que, este mês, o FBI fez uma batida na Cortland Management, uma grande empresa de arrendamento sediada em Atlanta, no âmbito de uma investigação sobre o software Real Page. O FBI alega que os locadores de todo o país têm estado utilizando o software para conspirar e fixar preços mais elevados para os inquilinos.

Este conluio, juntamente com a crise dos custos dos cuidados de saúde e a dor geral da inflação, aponta para o fato de que não existe uma “vibessecion”, mas que a classe trabalhadora continua enfrentando problemas de custo de vida e salários reais em declínio, mesmo quando os lucros e os indicadores empresariais disparam. Isto mostra que, embora estes indicadores econômicos possam refletir uma economia que está indo bem para a classe dominante, a classe trabalhadora comum continua em muito mau estado. Esta é mais uma prova de que a famosa e dispendiosa política industrial de Biden, incluindo a Lei CHIPS, não conseguiu chegar aos bolsos das massas.

Embora as sondagens devam ser tomadas com cautela, e a análise geral de sondagens sobre grupos raciais possa muitas vezes ser redutora e, portanto, racista, as sondagens que refletem a insatisfação com a economia foram o que forçou os apoiantes de Biden a apresentar a ideia da “vibecession” em primeiro lugar. Embora muitos dos seus partidários tenham anunciado o fim deste fenômeno em janeiro, a crise do custo de vida nunca foi ilusória e não desapareceu. Esta crise continuou refletindo-se nas principais sondagens burguesas, incluindo uma importante sondagem Gallup desta primavera, em que a inflação foi classificada como a questão mais importante para os eleitores, com 55% dizendo que estavam “muito preocupados” com este problema.

Perante tudo isto, Biden tem tentado fazer propaganda dos seus “bons números econômicos” e fazer alarmismo sobre como uma presidência de Trump acabaria com a democracia nos EUA. Uma sondagem da Universidade de Chicago entre jovens sugere que esta abordagem pode ser mais eficaz entre os brancos do que entre os eleitores negros e latinos. Enquanto a maioria dos grupos classificou a inflação como a questão número um, a “ameaça à democracia dos EUA” ficou em segundo lugar para os eleitores brancos e asiáticos/melanésios, mas não foi vista como a mais importante pelos eleitores negros e latinos, que estavam mais preocupados com questões como a pobreza, a desigualdade de rendimentos, o crescimento econômico e a violência com armas.

Embora, mais uma vez, seja importante não generalizar com base em categorias raciais amplas, isto também parece refletir-se nas sondagens nacionais, que sugerem que Biden está perdendo a sua vantagem sobre Trump entre os eleitores negros e latinos. As sondagens também sugerem que o apoio do Presidente aos massacres de Gaza também o prejudicou entre os eleitores negros. Estes dados das sondagens são também demonstrados em fatos mais concretos. No mês passado, por exemplo, a NAACP emitiu uma repreensão inusual a Biden, apelando ao fim do envio de armas dos EUA para Israel.

Esta questão da guerra não está apenas prejudicando o apoio de Biden nas comunidades negras; a questão está prejudicando Biden de outra forma: com o segmento politicamente ativado da população. Este grupo de sindicalistas e trabalhadores de ONGs é fundamental para obter o voto e fazer funcionar a máquina eleitoral do presidente. Embora a perda dos seus votos, por si só, possa não custar ao presidente a eleição, a perda do seu apoio ou, pelo menos, do seu entusiasmo, custar-lhe-á muito, especialmente nos estados mais disputados, que são críticos para ganhar a Casa Branca sob o sistema profundamente antidemocrático do Colégio Eleitoral.

A batalha legal contra Trump

Com a sua campanha presidencial balançando, Biden e muitos dos seus partidários têm-se consolado com os numerosos problemas legais de Trump, evidentemente na esperança de que os tribunais derrubem Trump por eles. De fato, numa angariação de fundos para a campanha em Connecticut, que teve lugar depois de Trump ter sido condenado por 34 acusações de fraude, Biden teve tendência para mencionar várias vezes a notícia do julgamento, dizendo que “pela primeira vez na história americana, um ex-presidente que é um criminoso condenado está agora concorrendo ao cargo da presidência”.

Embora, do ponto de vista da classe trabalhadora, a acusação de um antigo chefe de Estado com um historial tão desprezível como o de Trump seja bem-vinda, os tribunais decidiram, na sua maioria, não processar Trump pelos seus numerosos crimes contra os trabalhadores. Embora tenha sido instaurado um processo contra Trump pelo grave crime de agressão sexual, não houve qualquer acusação no Distrito Sul de Nova Iorque pelo número incalculável de pessoas que matou com ataques de drones, e nenhum júri ouviu qualquer caso sobre a política de imigração de Trump, que separou um número igualmente vasto e desconhecido de famílias e arruinou inúmeras vidas. Em vez disso, excluindo o caso de agressão sexual, os casos legais de Trump têm sido, em grande parte, da variedade mais insignificante, centrando-se em crimes contra as normas da sociedade capitalista.

Um resumo completo dos assuntos legais de Trump não caberia neste artigo, mas os casos podem, em geral, ser divididos em quatro categorias: crimes corporativos e fraude, crimes pessoais e difamação, crimes relacionados com as eleições presidenciais de 2020 e crimes relacionados com segredos de Estado. Embora os democratas tenham depositado as suas esperanças em que cada categoria levasse Trump para a prisão ou o impedisse de se candidatar a um cargo, uma investigação revela, pelo contrário, que nenhum deles é suscetível de parar Trump ou, pelo menos, de o prejudicar antes das eleições.

A primeira categoria, por fraude e crimes corporativos, resultou numa condenação contra Trump num tribunal do estado de Nova Iorque no ano passado. Embora o juiz tenha imposto multas significativas a Trump e às suas empresas, parece improvável que este assunto afete seriamente a sua candidatura à Casa Branca. Do mesmo modo, os crimes relacionados com a vida pessoal de Trump não parecem ter sido a salvação que Biden poderia ter esperado. Embora um juiz tenha decidido que Trump era culpado de violação e a sua condenação por 34 crimes de falsificação de registos empresariais para ocultar uma aventura foi notícia, ele não está nítido que Trump tenha que enfrentar penas de prisão significativas por esses casos. Isto é especialmente verdade porque ele pode continuar a adiar qualquer punição que receba através de recurso até depois de ser potencialmente eleito presidente.

A segunda categoria, a acusação de Trump de ter ocultado documentos confidenciais após o término do seu mandato como presidente, revelou-se ainda menos perigosa para Trump. Embora este caso possa ser uma violação da lei, como socialistas não temos qualquer problema com a exposição de segredos de Estado. No entanto, Trump parece ter evitado o perigo com este caso quando uma juíza leal a ele foi nomeada para o supervisionar. Os relatórios sugerem que esta juíza, Aileen Cannon, tem atrasado o caso de tal forma que é improvável que seja ouvido antes das eleições.

Isto leva-nos, finalmente, aos casos que envolvem a tentativa de Trump de manipular as eleições presidenciais de 2020. À primeira vista, estes parecem ser os mais graves, mas, infelizmente, também parecem pouco susceptíveis de derrubar Trump antes das eleições. O primeiro caso, apresentado pelo DOJ, parece pouco provável que seja perigoso para Trump, uma vez que ele seria o responsável por esse cargo se fosse eleito presidente. O outro, no condado de Fulton (Geórgia), parecia ser o mais perigoso para Trump, uma vez que, tratando-se de um processo estadual na Geórgia, ele não poderia receber um perdão se fosse condenado devido às políticas de “mão dura contra o crime” do estado. No entanto, o caso foi descarrilhado por recursos e atrasos, depois de ter vindo a luz a má conduta pessoal do procurador local.

Em suma, parece provável que nenhum destes casos legais impeça Trump de se candidatar ou de ganhar a presidência em novembro. Evidentemente isto não é uma surpresa, dado o poder do Partido Republicano no sistema judicial. De fato, em geral, os tribunais estão sempre do lado da classe capitalista, e os trabalhadores não devem confiar neles para obterem verdadeira justiça. Com os tribunais não conseguindo afastar Trump e os Democratas oferecendo poucas alternativas, há uma boa hipótese de que, no final do ano, Donald Trump seja eleito presidente pela segunda vez.

Com as pesquisas sugerindo que os trabalhadores nos EUA desprezam largamente as duas opções que lhes são dadas pelos principais partidos capitalistas, nunca foi tão nítido que este país precisa de um partido político que realmente defenda a classe operária. Embora o projeto de construção de um novo partido dos trabalhadores neste país não possa ser feito a tempo de impedir uma segunda presidência de Trump, a sua construção é essencial para resistir aos inevitáveis ataques aos trabalhadores, aos imigrantes e às mulheres e minorias de gênero que se seguiriam à sua eleição.


[1] Vibecession é um neologismo que se refere a uma desconexão entre a economia de um país e a percepção negativa dela pelo público em geral, que é em sua maioria pessimista. Acessível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Vibecession (ndt.)